Biografia

Susana Neves é fotógrafa free-lancer desde 2000 e tem vindo a acrescentar o Retrato e o Documental ao grosso do seu trabalho, a saber: a fotografia de cena, entre espetáculos de teatro, de música e performance.

Licenciada em Arte e Comunicação, Ramo Fotográfico, pela ESAP (Escola Superior Artística do Porto), fotografa eventos como o FIMP (Festival Internacional de Marionetas do Porto), para o Comissariado Cultural da FEUP e para o Centro de Eventos da FEUP. Colabora com grupos como o Teatro de Marionetas do Porto, Teatro de Ferro, com artistas como Flávio Rodrigues, Joana von Mayer Trindade e Hugo Calhim Cristóvão, Joclécio Azevedo, Cristina Planas Leitão, entre outros. Tem feito o retrato a grupos musicais como o Trio de Paulo Gomes, Jogo de Damas, Quarteto Vintage, Quarteto de Cordas de Matosinhos, Trompas Lusas. Colaborou regularmente para o Teatro Nacional São João, com o Circular – Festival de Artes Performativas de Vila do Conde, FITEI (Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica), Orquestra Metropolitana de Lisboa, Comédias do Minho, NEC (Núcleo de Experimentação Coreográfica), Companhia Instável e Victor Hugo Pontes.

Em 2014, com o apoio da DGArtes (Direção-Geral das Artes) e do CAUP (Centro de Astrofísica da Universidade do Porto) desenvolveu o projeto “Astro Homus”, do qual fazem parte uma exposição fotográfica itinerante e um livro/catálogo. Em 2011 e 2012 esteve envolvida na criação dos projetos "Olha lá" e "ai Maria" com a Associação 10pt – Criação Lusófona, alargando o seu trabalho à curadoria, formação e produção. Ainda em 2011 participou na Mostra SESC Cariri de Culturas (Ceará, Brasil) com uma oficina de fotografia. Foi formadora em cursos de iniciação à fotografia no GAF (Grupo Autónomo de Fotografia) da FLUP e em ateliês para crianças.

Desde 2014 colabora no projeto "Vecindarios" de Silvia Moreno, tendo sido programado pela Feria de Teatro de Castilla y León (Ciudad Rodrigo, Espanha), o Festival D. Quijote (Paris, França), o FITEI (Porto, Portugal), o FITO (Ourense, Espanha) e o Festival International des Clowns de Tergnier (França). Tem participado noutros projetos da Associação Cavaluna, em bairros prioritários, no sul de França.

As exposições individuais e coletivas em países como Portugal, Espanha, Brasil e Suíça são uma das várias formas de concretização do trabalho diário e, se lhe pedirem para destacar, ela dirá: "Ensaio Geral", "Astro Homus", "ai Maria", "Olha lá", "Atrás da Farsa", "Contrapontos Visuais" ou "Paixão pela Grande Música".

Lembrar-se-á com certeza de muitos outros trabalhos, porque todos lhe despertam a paixão que acrescenta ao profissionalismo.